Arquivo mensal: Janeiro 2017

Comissão Europeia aprova medicamento para epilepsia em crianças

O medicamento da Bial, Zebinix, foi aprovado pela Comissão Europeia e está indicado em todos os países da União Europeia para tratar adolescentes e crianças com mais de seis anos com epilepsia.

“Esta aprovação tem como base vários estudos que demonstram a eficácia e segurança deste fármaco, nomeadamente ao nível neurocognitivo (capacidade de concentração, processamento e informação e memória”, refere a Bial, em comunicado enviado às redações.

A epilepsia afeta 50 milhões de pessoas em todo o mundo e seis milhões só na Europa, sendo detetados 100 mil novos casos todos os anos.

In ECO

Presidente da Comissão Europeia deixa avisos a Google e Facebook

Jean-Claude Juncker lembra que “liberdade também significa responsabilidade”. Em causa, está o necessário combate à propagação de notícias falsas.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, deixou  alguns avisos ao Facebook e ao Google. Em causa está o combate às notícias falsas.  Bruxelas que vai acompanhar as medidas anunciadas pelas gigantes tecnológicas para travarem a propagação dessas notícias.

“Facebook e Google devem desenvolver, no seu próprio interesse, sistemas para combater este tipo de informações falsas, uma vez que a credibilidade deveria ser o seu maior capital”.

Lembrando que “liberdade também significa responsabilidade”, Junker reagiu à recente polémica sobre a influência na vitória de Donald Trump da proliferação de notícias falsas nas redes sociais.

In TVI24

Comissão Europeia e FEI criam apoio a microfinanciamento

A Comissão Europeia e o Fundo Europeu de Investimento (FEI) lançaram um novo apoio para fornecedores de microfinanciamento e de financiamento de empresas sociais. A iniciativa,  denominada por janela de investimento, visa negócios desenvolvidos no âmbito do programa europeu para o Emprego e a Inovação Social (EaSI).

Os dois parceiros nesta iniciativa esperam que o ecossistema para o microfinanciamento e o empreendedorismo social se reforcem com mais investimentos nas economias europeias.

A comissária da União Europeia, Marianne Thyssean, que inaugurou a janela, acredita que o projeto vai “ajudar os intermediários financeiros selecionados a desenvolver as suas atividades a longo prazo e fornecer um acesso contínuo a financiamento por parte das microempresas e das empresas sociais da Europa. Responde às necessidades das instituições financeiras que desejam desenvolver as suas capacidades e reforçar a oferta no mercado”.

In Jornal Económico

Comissão Europeia lança programa de voluntariado

A Comissão Europeia lançou no final do ano passado um programa de voluntariado semelhante ao programa ERASMUS para jovens entre os 18 e os 30 anos. O programa tem o nome de “Corpo Europeu de Solidariedade” e foi lançado pela Representação da Comissão Europeia em Portugal, em parceria com a Fundação AMI.

O programa foi lançado em todos os 28 Estados -Membros da União Europeia e tem como intuito promover  oportunidades de solidariedade, sob a forma de voluntariado, estágio ou trabalho, para jovens europeus.

O Corpo Europeu de Solidariedade foi criado com o objetivo de responder às necessidades de comunidades vulneráveis em termos de alimentação, limpeza de florestas ou integração de refugiados.

Os jovens poderão realizar estas atividades voluntárias por períodos de dois a 12 meses e as oportunidades de emprego, formação ou estágio consequentes, por um período mínimo de quatro meses.

As organizações participantes terão que assinar uma Carta dos Princípios Fundamentais e aos jovens será disponibilizado alojamento, alimentação, despesas de viagem, seguro e uma mesada. Por sua vez, os estagiários terão sempre um contrato de trabalho e um salário.

Adaptação de notícia publicada na TSF a 7 de dezembro.

Diretora do FMI foi declarada culpada por tribunal francês

Um tribunal especial francês considerou a atual diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) culpada de “séria negligência” no caso de um pagamento estatal a um empresário.

Christine Lagarde, recebeu o veredito de culpada por negligência durante o processo de indemnização estatal pela venda da Adidas a um banco público, em 1994. Na altura, o Estado teve de indemnizar o empresário, próximo de Sarkozy, em 404 milhões de euros, com o argumento de que o banco tinha conseguido um lucro exagerado graças à Adidas.

Contudo, ainda não foi definida qualquer punição. A atual líder do FMI não terá também qualquer registo criminal deste veredito.

Neste caso, também são arguidos,  o seu chefe de gabinete em 2007 e atual presidente da operadora de telecomunicações Orange, Stéphane Richard por cumplicidade.

In SAPO

Portugal é considerado o país mais amigável da Europa

Os portugueses foram considerados o povo mais simpático para os emigrantes, segundo um estudo internacional.

O estudo da InterNations que pretende revelar quais os melhores países para os emigrantes viveram concluiu que Portugal é o país mais amigável da Europa e o décimo mais amigável do mundo.

Portugal foi considerado um país onde é mais fácil fazer amigos e familiarizar-se com os novos hábitos e cultura.

O estudo da InterNations analisa os países baseando-se em fatores como a qualidade de vida, a segurança e a facilidade de adaptação, que depende muito do povo acolhedor. No topo do ranking de afabilidade estão Taiwan, Uganda e Costa Rica.

Adaptação de notícia publicada no Diário de Notícias a 31 de agosto.

PCP vai lançar campanha para a saída do euro

O Partido Comunista Português (PCP) anunciou que, entre janeiro e junho de 2017, vai realizar uma campanha para promover a saída do euro.

A decisão tomada em Comité Central foi comunicada por Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, em conferência de imprensa, na sede nacional do partido, em Lisboa. O secretário-geral do PCP afirmou que “foi decidido realizar uma campanha em torno da libertação da submissão ao euro, entre janeiro e junho de 2017, em articulação com a exigência de renovação da dívida e a recuperação do controlo público da banca”.

Durante a conferência de imprensa, discutiu-se também sobre a saúde e foram pedidas medidas ao Governo que impeçam um novo “caos nas urgências hospitalares” associado ao surto de gripe.

“A possibilidade de se repetirem situações de caos nas urgências hospitalares é real. É necessário impedir situações idênticas às verificadas nos últimos anos, com tempos de espera muito acima do que seria normal e com consequências dramáticas para alguns dos doentes que recorreram a esses serviços”, defendeu.

Adaptação de notícia publicada no Diário de Notícias a 17 de dezembro.

Custo da mão-de-obra sobe 3,6% em Portugal

Os custos horários da mão-de-obra aumentaram, no terceiro trimestre (abril a junho), 1,5% na zona euro e 1,9% na União Europeia, segundo dados divulgados pelo Eurostat. Em Portugal, o indicador cresceu 3,6%.

Esta subida, apenas em território português, representa o dobro do aumento, relativamente a toda a Zona Euro e União Europeia.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da EU, a Roménia (14,7%), a República Checa (9,0%), a Bulgária (8,4%), a Letónia (7,7%) e a Lituânia (6,8%) foram os países onde os custos horários da mão-de-obra mais subiram.

A Croácia (-6,5%), Malta (-2,1%) e Itália (-0,5%) foram os países onde o indicador recuou.

In Jornal Económico

Domingos Gratuitos não entram em vigor a 1 de Janeiro

A entrada gratuita nos museus portugueses, aprovado no Orçamento do Estado, está a ser estudada pelo Ministério da Cultura.

Atualmente, os museus e monumentos nacionais são gratuitos no primeiro domingo do mês. A alteração que deveria entrar em vigor a 1 de janeiro de 2017 propõe que estes passem a ser gratuitos todos os domingos e feriados até às 14.00.

O Ministério da Cultura confirma que o assunto “está ainda em análise” e refere ainda que estão a ser avaliados os impactos da medida, tanto do ponto de vista financeiro como da pressão turística sobre os museus e monumentos nacionais”.

Contudo, de acordo com as leis europeias e de forma a não colidir com estas, esta é uma medida que deverá ser alargada a todos os cidadãos europeus, devido ao “princípio da não discriminação” praticado pela UE.

In DN

“Brexit” entra no dicionário de inglês de Oxford

A palavra “brexit” que, a 23 de junho, definiu um novo capítulo na história do Reino Unido e da Europa, entrou no dicionário inglês de Oxford (OED), considerado a obra de referência sobre a evolução da língua inglesa.

O dicionário em questão define esta palavra como a “retirada (proposta) do Reino Unido da União Europeia e o processo político associado”.

A palavra surgiu em consequência da palavra “grexit” que, em fevereiro de 2012, marcava o risco de exclusão da Grécia da Zona Euro.  Mais tarde “brexit” surge num artigo publicado online por Peter Wilding, atual presidente do centro de reflexão pró-EU British Influence.

É raro o OED adicionar uma palavra tão recente, mas a “rapidez na difusão e adoção” da palavra o justificaram. Esta, para além de se ter disseminado rapidamente, originou novas formas de empregar a palavra “brexit”, como “brexiteer” e “brexiter”.

In JN