Europa incentiva a iluminação à base de lâmpadas LED

A Europa decidiu parar a produção de lâmpadas com classe energética C e lâmpadas de halogéneo claras. Uma medida que tenciona promover uma iluminação mais amiga do ambiente e que revela ser também mais amiga da carteira do consumidor.

Depois de nos despedirmos das lâmpadas foscas e das incandescentes, é hora de dizermos adeus às lâmpadas de halogéneo claras e a todas as lâmpadas de classe energética C. O objetivo desta diretiva comunitária é que nos próximos anos a iluminação seja feita à base de lâmpadas LED (Diodo Emissor de Luz), proporcionando assim uma iluminação mais eficiente e barata.

No último estudo da Associação de Defesa do Consumidor, feito em novembro do ano passado, verificou-se que, em comparação com as lâmpadas fluorescentes compactas, que até aqui eram a escolha aconselhada pela Deco por já serem melhores que as de halogéneo, usar 11 lâmpadas LED num T1 permite poupar 207 euros, em 20 anos. Quanto à duração, ficou provado que as LED podem durar mais de 20 mil horas, ou seja, mais de 20 anos.

Adaptação de notícia publicada no Diário de Notícias a 31 de agosto.