Patrícia Mamona conquista prata em Belgrado

Patrícia Mamona exibiu na terça-feira à noite, à chegada ao aeroporto de Lisboa, a medalha de prata do triplo salto em atletismo conquistada no recente Europeu de pista coberta disputado em Belgrado.

“Esta medalha soube-me a ouro, pois já andava há muito tempo à procura deste sabor. Estou supermotivada para continuar a treinar para o Mundial que se realiza em agosto na cidade de Londres”, disse a atleta do Sporting, recordista nacional do triplo-salto com a marca de 14,65 metros.

“Esta é a minha melhor época de inverno de sempre. Sinto que estou melhor atleta do que era no ano passado”, acrescentou Patrícia Mamona, que, em agosto de 2016 se sagrou campeã europeia ao ar livre em Amesterdão.

Depois, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, acabou por conseguir um promissor sexto lugar. “Agora, o meu foco está no Mundial de Londres. Espero fazer melhor do que o sexto lugar obtido nos Jogos Olímpicos”.

Patrícia Mamona sublinhou ainda “que as memórias deste Europeu são muito positivas e que convém não esquecer o fantástico resultado alcançado pelo Nélson Évora”, atleta ‘leonino’ que arrebatou o primeiro lugar igualmente no triplo salto.

“Já relaxei na segunda-feira e agora vou festejar junto da minha família, que me tem apoiado imenso”, concluiu a campeã nacional do triplo salto e que, em Belgrado, só foi superada pela alemã Kristin Gierisch.

Radiante estava Jorge Vieira, presidente da Federação Portuguesa de Atletismo. “A Patrícia Mamona, apesar de ainda ser jovem, já consolidou o seu estatuto na difícil disciplina do triplo salto. Está uma atleta cada vez mais consistente e tenho boas expetativas para o próximo Mundial de Londres”.

Jorge Vieira fez ainda questão de destacar o feito de Nélson Évora, que saiu de Belgrado com o ouro. “Já tinham enterrado o Nélson, mas ele é um atleta excecional. Quanto está bem fisicamente e mentalmente, é sempre candidato à conquista de um lugar no pódio”.

O presidente da FPA admitiu que sempre acreditou “no renascimento do Nélson Évora” e deixou encómios ao lançador do peso Tsanko Arnaudov. “É um atleta muito jovem, só tem 24 anos e ainda há muito a esperar dele num futuro próximo. Ficou em quarto lugar, mas poderia ter ido ao pódio”, rematou Jorge Vieira.

Adaptação de notícia publicado no Jornal de Notícias a 8 de março.