Arquivo mensal: Novembro 2017

Erasmus tem sido o “betão armado” da cultura europeia

O Ministro da Educação disse que o programa europeu Erasmus tem sido o “betão armado” da cultura europeia e que irá “nutrir” essa identidade sendo também financeiramente vantajoso.

fgdf

“Nenhum político, nenhum discurso, nenhum tratado poderá trabalhar tanto em prol da União Europeia como as pessoas que passaram pelo Erasmus”, disse Tiago Brandão Rodrigues numa conferência da Agência Nacional Erasmus+ e Fórum Estudante, no âmbito das comemorações em Lisboa do 30.º aniversário do programa.

Nesta conferência foram apresentados diversos testemunhos de quem participou no programa europeu de mobilidade. Tiago Brandão Rodrigues foi um dos alunos Erasmus tendo recebido recentemente o prémio Geração Erasmus + atribuído pelo Parlamento Europeu.

“Todos nós entendemos que a experiência Erasmus irá nutrir a identidade europeia como nenhuma outra peça logística da União Europeia”, disse Tiago Brandão Rodrigues adiantando que é financeiramente vantajoso cada euro gasto neste programa.

Para exemplificar esta vantagem financeira o ministro apontou o caso do Brexit considerando que se a votação fosse feita apenas pelos jovens Erasmus a vitória da opção pela permanência do Reino Unido na União Europeia teria sido esmagadora.

“A falta de internacionalização de muitos dos britânicos levou ao entendimento desses britânicos que a experiência europeia não era positiva e isso acaba por fazer pagar uma fatura para todos os europeus inclusivamente para os britânicos a curto, médio e longo prazo”, disse.

Durante a conferência que contou ainda com a presença do Comissário Europeu da Educação, Cultura, Juventude e Desporto, Tibor Navracsics, foram colocadas algumas questões relacionadas com o programa entre as quais a necessidade de este também ser acessível aos jovens desfavorecidos e a necessidade de adequar as bolsas aos custos reais das cidades.

Quer o ministro quer o comissário europeu consideraram ser dois desafios a ter em conta alertando para a necessidade de o programa ter maior financiamento o que, segundo Tibor Navracsics, implicaria uma maior participação financeira dos Estados Membros.

No primeiro ano do programa, em 1987, 3.244 jovens usufruíram da mobilidade e entre 1987 e 2017, um total de nove milhões de jovens beneficiaram de uma experiência internacional para estudar, viajar, estagiar, ganhar experiência profissional ou fazer voluntariado noutro país.

Notícia publicada no Diário de Notícias a 6 de novembro.

Portugal cria muito emprego pouco qualificado e mal pago

Comissão Europeia aponta dedo à “elevada proporção” de empregos criados nas baixas qualificações e aos “salários abaixo da média”.

22808960_BINARY_19838651-1060x594

Portugal está a conseguir criar emprego e a um ritmo significativo, mas o número de postos de trabalho associados a qualificações mais baixas e a salários reduzidos é “elevado”, alerta a Comissão Europeia. Isto encerra perigos.

A tendência, que não é nova sequer, limita o potencial da economia, o crescimento a prazo, além de ser um impedimento para as pessoas virem a ter mais rendimento, poder de compra e maior qualidade de vida.

A falta de investimento dos últimos anos pode ter agravado ainda mais o problema, pois acabou por limitar ainda mais as oportunidades, têm alertado repetidamente várias instituições, como a própria Comissão, o FMI, o Banco de Portugal ou a OCDE.

O Dinheiro Vivo procurou saber junto da Comissão, em Bruxelas, o que pode explicar o embaratecimento aparente da economia via fator trabalho (comparativamente aos seus parceiros europeus) quando há várias medidas no terreno para devolver salários, como a atualização do salário mínimo.

Notícia publicada no Dinheiro Vivo a 13 de novembro.

Betinho regressa à seleção para a pré-qualificação do Eurobasket’2021

João Betinho Gomes regressou ao lote de 12 convocados da seleção portuguesa de basquetebol, que vai participar na fase de pré-qualificação do Eurobasket’2021.

O extremo da equipa italiana do Aquila Basket Trento esteve ausente da seleção durante a fase de pré-qualificação do Mundial de 2019, disputada no passado mês de agosto, devido aos crónicos problemas nos joelhos, estando atualmente apto a voltar a envergar a camisola da turma nacional.

Além de João Betinho Gomes, o poste Cláudio Fonseca, do Benfica, também volta a integrar o grupo de 12 eleitos do selecionador Mário Gomes, uma vez que está recuperado da doença (síndrome vertiginoso), que na última temporada afetou o seu rendimento desportivo.

Relativamente à última convocatória, saíram Arnette Hallman e Pedro Belo.

“Vamos apenas convocar 12 jogadores. O período de preparação é muito curto e não se justifica a escolha de mais elementos”, constatou à Lusa o selecionador Mário Gomes.

Os 12 convocados entram em estágio no dia 19 deste mês numa unidade hoteleira da Costa da Caparica, realizando a sua preparação no Complexo de Desportos de Almada.

in O Jogo

João Martinho vence medalha de bronze no Europeu sub-23 de judo

No passado dia 11 de novembro, João Martinho, judoca português, conquistou a medalha de bronze na categoria -81kg do Campeonato da Europa de sub-23, em Podgorica, em Montenegro. 

O judoca, depois de vencer ao moldavo Nicon Zaborosciuc, conquistou a terceira medalha lusa na prova. A medalha de ouro foi entregue a Maria Siderot e a de bronze a Joana Diogo.

Martinho deixou no tapete o luxemburguês Bilgee Bayanaa, o belga e campeão mundial de juniores Matthias Casse, antes de avançar para os quartos de final, onde eliminou o ucraniano Bohdan Zusko.

Nas meias-finais, frente ao moldavo Dorin Gotonoaga, João Martinho aguentou mais de sete minutos de combate, antes de ceder um ponto decisivo, o “ponto de ouro”, ficando afastado da final.

No combate pelo último lugar do pódio, o português mostrou-se mais forte e conseguiu fazer ‘ippon’, ou seja, um golpe perfeito, em um minuto e 23 segundos.

in Diário de Notícias

Europa deverá crescer 2,4% em 2017

Em abril, o Fundo Monetário Internacional estimava um crescimento de apenas 0,5%. Previsões para 2018 também foram revistas em alta.

Fotografia: D.R.

A economia europeia deverá crescer 2,4% este ano e 2,1% em 2018, de acordo com as estimativas mais recentes do Fundo Monetário Internacional (FMI).

As novas previsões, divulgadas esta segunda-feira, representam uma revisão em alta em relação às avançadas em abril – 0,5% em 2017 e 0,2% em 2018 – e significam um aumento de 0,7 pontos percentuais em relação ao crescimento registado em 2016.

“Todas as economias europeias estão a crescer e o continente tornou-se o motor do comércio global mas os países deverão ter uma almofada orçamental para acomodar as suas economias em eventuais momentos de crise”, refere o Regional Economic Outook”.

Para a zona euro, as novas previsões do FMI apontam para um crescimento de 2,1% este ano e 1,9% no próximo. Em abril, as estimativas eram de0,5% e 0,3%, respetivamente.

A Espanha deverá ser o país com o aumento (3,1%) do PIB em 2017, mais 2,6 pontos percentuais do que o esperado nas anteriores previsões. A Alemanha surge a seguir com 2% (mais 1,6 p.p.) e a França com 1,6% (mais 1,4 pontos do que em abril).

A Itália deverá crescer 1,5% este ano, mais 0,8 pontos do que o previsto há sete meses.

Já a economia do Reino Unido, que na previsão anterior deveria ter um crescimento negativo de 0,5% aparece agora a subir 1,7% em 2017.

Notícia publicada no Dinheiro Vivo a 13 de novembro.

Portugal tem as maiores remessas de emigrantes da União Europeia

Entre os Estados-membros Portugal é o país com o maior saldo de verbas provenientes do exterior, segundo dados do Eurostat.

1176419

Portugal, com um total de 3343 milhões de euros, tem o maior saldo entre os Estados-membros da União Europeia (UE) no que diz respeito às verbas provenientes de pessoas residentes fora do país, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pelo gabinete de estatísticas da UR, Eurostat.

Num total de 24.064 milhões de fluxos de emigrantes na UE, Portugal tem a maior fatia (3343 milhões), seguindo-se a Polónia (3014 milhões), o Reino Unido (2454 milhões) e a Roménia (2449 milhões), segundo dados referentes a 2016. O gabinete de estatísticas da UE nota, por outro lado, que as verbas recebidas por Portugal dizem apenas respeito a remessas de trabalhadores expatriados.

Considerando remessas de emigrantes residentes noutro Estado-membro, a Polónia passa para primeiro lugar (2654 milhões de euros), a Roménia para segundo (2141 milhões) e Portugal para terceiro (2091 milhões).

Os imigrantes residentes em França são os que que mais remessas enviam em toda a UE (9986 milhões de euros), seguindo-se os que estão no Reino Unido (7086), em Espanha (6765) e na Alemanha (4214 milhões de euros).

Da UE, saíram 42.476 pessoas em 2016, sendo o saldo das entradas negativo.

Notícia publicada no Público a 13 de novembro.

“A Fábrica de Nada” vence Festival de Cinema Europeu de Sevilha

O filme português “A Fábrica de Nada”, de Pedro Pinho, ganhou o principal prémio do Festival de Cinema Europeu de Sevilha, o Giraldillo de Oro, para Melhor Filme.

fdsfd

O júri destacou a reflexão que o filme faz sobre alguns factos relacionados com a crise económica vivida em muitos países europeus. A longa-metragem narra as vicissitudes de um grupo de trabalhadores que continua a ir para a sua empresa depois dos proprietários a terem abandonado.

A “Fábrica de Nada” estreou-se em maio no Festival de Cannes, onde venceu o prémio da crítica, a que se seguiu o prémio CineVision, em junho, em Munique, para melhor novo filme. Foi igualmente distinguido nos festivais Duhok, no Iraque, e Miskolc, na Hungria, e selecionado para os festivais de Londres, Toronto e Jerusalém.

Sete produções ou coproduções portuguesas estiveram em competição neste festival, que tem por objetivo promover o cinema de produção europeia.

Adaptação de notícia publicada no Diário de Notícias a 11 de novembro.

Shawn Mendes eleito Melhor Artista nos Prémios Europeus MTV

O cantor canadiano de origem portuguesa Shawn Mendes ganhou o título de Melhor Artista nos MTV EMA 2017, cuja cerimónia decorreu em Londres.

O cantor de 19 anos, filho de pai é português, foi eleito Melhor Artista na edição deste ano dos prémios europeus de música do canal MTV. Shawn Mendes competia contra grandes nomes da música como Ed Sheeran, Taylor Swift, Miley Cyrus, Adriana Grande e Kendrick Lamar.

O artista lusodescente arrecadou ainda o prémio de Melhor Música com o tema “There’s Nothing Holdin’ Me Back” e os seus seguidores foram considerados os “Maiores Fãs”.

A próxima cerimónia dos MTV EMA está marcada para 2018, na cidade de Bilbau, em Espanha.

Adaptação de notícia publicada no Diário de Notícias a 12 de novembro.