Há 25 anos que Portugal não consegue convergir com a Europa

Portugal tem vivido num período de estagnação da convergência face à União Europeia devido às  fragilidades estruturais da economia

De acordo com um estudo do Banco de Portugal, apesar do aumento do PIB  entre 1960 e meados de 1990, verifica-se uma “estagnação do processo de convergência da economia portuguesa”.

Apesar da recuperação recente, o “PIB ‘per capita’ relativo em 2018 está aquém do nível registado em 1995”.

O fraco desempenho da produtividade total dos fatores , como a ineficácia do sistema judicial, a redução da dimensão das empresas ou o pouco investimento em inovação, para além  da redução do contributo positivo do stock de capital  e a ausência de trabalho são os principais fatores para esta estagnação.

“A análise da evolução do nível de rendimento ‘per capita’ em Portugal comparativamente à média da UE mostra que o processo de convergência real da economia portuguesa não prosseguiu nos últimos 25 anos”, concluiu o Banco de Portugal.

Segundo o estudo, o ponto positivo  é a melhoria do capital por trabalhador e da qualificação dos trabalhadores, que ainda continua abaixo da média da UE.

Para Portugal conseguir voltar ao processo de convergência com a UE será necessário um “aumento do capital humano, promoção de condições para um aumento sustentado do investimento e a melhoria do enquadramento institucional e do funcionamento dos mercados”, segundo os investigadores.

Enquanto que a convergência real consiste no processo de aproximação dos níveis de rendimento dos países mais pobres aos países mais ricos, a produtividade total dos fatores indica a produção obtida com um determinado conjunto de recursos empregados e explica o comportamento e desenvolvimento da economia de um país.

Adaptação da notícia de  DN/Lusa publicada no Diário de Notícias a 10 de Outubro de 2019