Arquivo da categoria: Artes

Salvador Sobral vai representar Portugal na Eurovisão e dispara nas casas de apostas

O representante português na Eurovisão tem subido nas apostas internacionais à vitória do concurso e viu o seu disco de estreia, lançado há um ano, entrar no top cinco do iTunes.

No dia seguinte ao da vitória no 51.º Festival RTP da Canção, Salvador Sobral subiu quase 20 posições no ranking que reúne as apostas internacionais ao favorito a vencer a Eurovisão, que o site de fãs Eurovision World divulga, estando atualmente na 8.ª posição.

O cantor de 27 anos, que levará a Kiev, na Ucrânia, o tema Amar Pelos Dois, com letra e composição da irmã, Luísa Sobral, viu também o álbum de estreia, Excuse Me, editado há um ano, disparar na tabela de vendas de discos no iTunes em Portugal, integrando o atual top cinco nesta plataforma.

Depois de a sua atuação na primeira semifinal do festival se ter tornado viral nas redes sociais, somando quase meio milhão de visualizações, o representante português de 2017 na Eurovisão é esta segunda-feira um dos assuntos mais comentados no Twitter no nosso país.

Adaptação de notícia publicada no Diário de Notícias a 6 de março.

Presidente da Comissão Europeia deixa avisos a Google e Facebook

Jean-Claude Juncker lembra que “liberdade também significa responsabilidade”. Em causa, está o necessário combate à propagação de notícias falsas.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, deixou  alguns avisos ao Facebook e ao Google. Em causa está o combate às notícias falsas.  Bruxelas que vai acompanhar as medidas anunciadas pelas gigantes tecnológicas para travarem a propagação dessas notícias.

“Facebook e Google devem desenvolver, no seu próprio interesse, sistemas para combater este tipo de informações falsas, uma vez que a credibilidade deveria ser o seu maior capital”.

Lembrando que “liberdade também significa responsabilidade”, Junker reagiu à recente polémica sobre a influência na vitória de Donald Trump da proliferação de notícias falsas nas redes sociais.

In TVI24

“Brexit” entra no dicionário de inglês de Oxford

A palavra “brexit” que, a 23 de junho, definiu um novo capítulo na história do Reino Unido e da Europa, entrou no dicionário inglês de Oxford (OED), considerado a obra de referência sobre a evolução da língua inglesa.

O dicionário em questão define esta palavra como a “retirada (proposta) do Reino Unido da União Europeia e o processo político associado”.

A palavra surgiu em consequência da palavra “grexit” que, em fevereiro de 2012, marcava o risco de exclusão da Grécia da Zona Euro.  Mais tarde “brexit” surge num artigo publicado online por Peter Wilding, atual presidente do centro de reflexão pró-EU British Influence.

É raro o OED adicionar uma palavra tão recente, mas a “rapidez na difusão e adoção” da palavra o justificaram. Esta, para além de se ter disseminado rapidamente, originou novas formas de empregar a palavra “brexit”, como “brexiteer” e “brexiter”.

In JN

“Shok”: Primeira nomeação da Academia para uma curta do Kosovo

O Óscar para melhor curta metragem é uma grande oportunidade para grandes talentos.

Entre os cinco candidatos ao prémio deste ano está o drama: “Shok”. Esta é a primeira nomeação da Academia para uma curta do Kosovo. Uma curta metragem baseada numa história real passada durante o conflito entre o Kosovo e a Sérvia, no final dos anos 90.

Em competição está também a curta metragem “Ave Maria”, um projeto conjunto entre a Palestina, a Alemanha e a França. Uma comédia sobre um grupo de cinco freiras filmada em Israel e na Cisjordânia. Esta abordagem humorística já recebeu elogios da crítica e também foi nomeada para Melhor Curta no Festival de Cannes.

Notícia publicada na Euronews a 21 de janeiro.

Portugal está fora do Festival da Eurovisão 2016

A direção e administração da RTP decidiram não enviar a candidatura de Portugal ao evento musical que reúne os países europeus.

Os prazos de candidatura ao Festival da Eurovisão 2016 chegaram ao fim e Portugal, por decisão da estação pública, não irá marcar presença.

“Depois duma longa e ponderada avaliação da nossa participação neste evento e ao mesmo tempo a necessidade de substituir e criar novos conteúdos, decidiu a direção de programas da RTP não considerar este ano o ESC [Eurovision Song Contest] na sua grelha de programação. Depois de algumas dezenas de anos a participar neste grande evento, vamos fazer uma pausa mas fica a promessa de um regresso na edição de 2017”, explicou a RTP, em comunicado oficial.

Esta é a quinta vez que o nosso país fica de fora do concurso, sendo que também não participou nas edições de 1970, 2000, 2002 e 2013.

A Eurovisão 2016 vai realizar-se em Estocolmo, na Suécia, nos dias 10,12 e 14 de maio. Até à data, estão confirmadas as participações de quase 40 países.

Notícia publicada na Diário de Notícias a 7 de outubro.

Morreu escritora Edmonde Charles-Roux

A jornalista e romancista francesa Edmonde Charles-Roux morreu na noite do dia 20 de janeiro em Marseille, no sul de França, aos 95 anos, disse à AFP fonte da Academia Goncourt.

Debilitada desde dezembro, Edmonde Charles-Roux morreu numa casa de repouso, disse Marie Dabadie, porta-voz da Academia Goncourt, que tinha sido presidida pela romancista.

A autora era viúva de Gaston Deferre, figura histórica de Marselha, onde foi presidente da câmara durante vários anos.

A Academia Goncourt, presidida por Bernard Pivot atribui todos os anos o prémio francês de literatura.

O Prémio Goncourt é atribuído desde 1903, com o objetivo de distinguir “o melhor e mais imaginativo” romance de língua francesa, publicado no ano em causa.

Marcel Proust, André Malraux, Henri Troyat, Elsa Triolet, Simone de Beauvoir, Michel Tournier, Patrick Modiano (Nobel da Literatura em 2014), Marguerite Duras, Yann Queffélec, Tahar Ben Jelloun, Érik Orsenna, Amin Maalouf, Jean Echenoz, Pascal Quignard e Michel Houellebecq estão entre os vencedores do principal prémio da Academia Goncourt.

Notícia publicada na Jornal de Notícias a 21 de janeiro.

A “Gata das Botas” de Beatrix Potter esteve escondida mais de 100 anos

Um conto inédito da autora inglesa vai ser editado em setembro

A história da Gata das Botas foi escrita por Beatrix Potter há mais de 100 anos, que a deixou inacabada

Há dois anos a editora Jo Hanks, da Random House, encontrou uma referência à sua existência numa carta de Potter para o seu editor, em 1914. A autora referia a história de “uma gatinha preta bem comportada que na verdade leva uma vida dupla” e mencionava um manuscrito ainda não publicado. Uma pesquisa nos arquivos de Londres do Victoria & Albert Museum, que tem grande parte do espólio de Potter, permitiram encontrar três manuscritos em cadernos escolares, um desenho a cores de Kitty-in-Boots e um desenho a carvão do vilão, Mr. Todd.

Outras cartas no arquivo de Beatrix Potter mostram que a autora tencionava terminar este conto mas ele foi sucessivamente interrompido. Em 1914 começou a Grande Guerra, depois morreu o pai de Beatrix e ela, que tinha casado há pouco, começou uma nova vida, tomando conta da sua quinta. Potter morreu em 1943.

“Este é um dos melhores contos de Beatrix Potter”, diz a editora Jo Hanks. “Tem duplas identidades, vilões e uma série de outras personagens que também aparecem noutros contos, como Mr Tod, Mrs Tiggy-Winkle, Ribby e Tabitha Twitchit.” Até Peter Rabbit (Pedrito Coelho) faz uma aparição.

Como a história original não estava ilustrada, Quentin Blake foi convidado a ilustrar esta história, a partir dos desenhos originais. O novo livro será publicado no Reino Unido, EUA e Canadá em Setembro.

Notícia publicada na Diário de Notícias a 26 de janeiro.

Quadro de Picasso vendido por mais de 25 milhões de euros

O óleo “Tête de femme”, no qual Picasso retrata Marie-Thérèse Walter, musa da sua obra na década de 1930, foi vendido pela Sotheby’s, em Londres, por 18,85 milhões de libras (25,29 milhões de euros)

O retrato, pintado em março de 1935, foi o grande destaque de uma sessão na qual também foi vendido “La leçon de piano”, de Henri Matisse, por 10,78 milhões de libras (14,47 milhões de euros), e “Le palais ducal vu de Saint-Georges Majeur”, de Claude Monet, por 11,57 milhões de libras (15,52 milhões de euros).

A escultura de Auguste Rodin “Iris, messagère des dieux”, cujo preço estimado estava entre os 6 e os 8 milhões de libras (de 8,04 a 10,73 milhões de euros), atingiu os 11,57 milhões de libras (15,52 milhões de euros), incluída a comissão da leiloeira.

Na obra de Pablo Picasso leiloada representa uma visão geométrica e elegante de Marie-Thérèse, destaca-se entre as suas obras a partir de meados dos anos 30, apresentando já elementos lineares que viriam a definir as suas composições cubistas posteriores.

O pintor natural de Málaga utiliza, nesse trabalho, uma paleta de cores que não tinha sido vista antes nas suas obras, onde os laranja e vermelho mais intensos se combinam com verdes e azuis mais leves.

Picasso viu pela primeira vez Marie-Thérèse em Paris, quando ela tinha 17 anos e ele estava a atravessar um período turbulento no seu casamento com Olga Khokhlova, da qual se divorciaria após do seu envolvimento com a jovem resultar, em 1934, uma gravidez.

O retrato vendido em Londres é um dos poucos quadros que Picasso pintou durante essa fase difícil do seu matrimónio com Olga.

Notícia publicada no Jornal de Notícias a 3 de fevereiro.

Um beijo em Paris: “Essa é a minha resposta aos terroristas”

O ilustrador francês Serge Bloch mostra os seus trabalhos na Ilustrarte, em Lisboa

A primeira vez que Serge Bloch esteve em Lisboa foi em 1974. “Tinha 18 anos, soube que tinha havido uma revolução na Europa e vim ver. Tinha que vir”, conta o ilustrador francês, convidado especial desta edição da Ilustrarte. “Fiquei seis meses em Portugal, passeando e visitando, Lisboa estava uma loucura naquela altura. Fiquei numa comunidade de artistas que tinham ocupado uma casa. A cidade estava cheia de pinturas pós-modernas. E estava em Lisboa no 1º de maio, com muitas manifestações, os soldados com cravos. Foi lindo. Gosto muito de Lisboa e por isso fiquei muito feliz com o convite para esta exposição.”

Serge Bloch estudou na Escola de Artes Decorativas de Estrasburgo com Claude Lapointe. Desenha regularmente para a imprensa (The Washington Post, Wall Street Journal, The New York Times, Time e New Yorker, entre outros). Recebeu a medalha de ouro da Society of illustrators. Vive em Paris com a sua mulher e filho, no qual se inspirou para criar a banda desenhada do super-herói Samsam. Em Portugal, a Bruáa editou O Tigre na Rua, com textos de vários editores, e Eu Espero, em colaboração com David Cali.

Notícia publicada na Diário de Notícias a 22 de janeiro.

História perdida de Sherlock Holmes encontrada em sótão

O conto foi escrito há mais de cem anos, depois Conan Doyle de ter “ressuscitado” Holmes, após a sua queda quase fatal nas cataratas de Reichenbach.

ng3973396

Uma aventura de Sherlock Holmes, escrita há mais de cem anos, foi redescoberta num sótão na Escócia. Um habitante de Selkirk, Walter Elliot, de 80 anos, descobriu a história de 1300 palavras numa coletânea de contos, Book o’ the Brig, debaixo de uma pilha de livros guardados no sótão.

Sir Arthur Conan Doyle escreveuSherlock Holmes: Discovering the Border Burghs and, by deduction, the Brig Bazaar em 1904, para ajudar a cidade escocesa de Selkirk a angariar dinheiro para substituir uma ponte que tinha sido destruída por umas cheias dois anos antes.

Elliot não tem memória de ter comprado o livro, que tem há 40 ou 50 anos, mas que tinha esquecido.

Notícia publicada no Diário de Notícias a 21 de fevereiro.