Sapatos portugueses vão andar cada vez mais pela Europa

Apesar dos investimentos crescentes na promoção internacional – e que só nos próximos dois anos ascenderão a 20 milhões de euros -, os industriais portugueses de calçado continuam a concentrar o grosso dos seus esforços no continente europeu.

As vendas para os mercados extracomunitários cresceram 160% desde 2009 e representam já 13% do total das exportações de sapatos. Mas a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes e Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS) garante que esse peso relativo já não será muito alterado. “A Europa não é um, são 28 mercados ricos”, lembra o diretor geral, Manuel Carlos.

Para a APICCAPS, a perspetiva é que o contributo dos mercados extracomunitários suba até aos 20% até 2020, mas não vá além disso. “A União Europeia é um conjunto de 28 países com realidades diversas, heterogéneas. Um conjunto vasto de países com culturas, hábitos de consumo e tradições distintas, mas com um rendimento per capita médio dos maiores do mundo”, refere Manuel Carlos, que sublinha: “O nível de concentração, num espaço geográfico tão pequeno, de uma população tão rica, faz com que estes territórios sejam mercados alvo prioritários”.

Sobretudo para um indústria que, nos últimos 20 anos, foi evoluindo na gama de produto e de preço. “A indústria portuguesa dedica-se hoje à produção de sapatos mais sofisticados e que se destinam a uma segmento de consumidores com um maior poder de compra”, acrescenta.

O que não significa que os empresários descurem novas oportunidades e novos mercados. Bem pelo contrário. “Estamos muito atentos à evolução do mundo, dos tempos, da história e à volatilidade das economias. Não perdemos nunca a oportunidade de explorar novos destinos, mas mantendo sempre uma posição muito firme e muito forte na Europa”, diz o diretor geral da APICCAPS. Que lembra que este é o percurso oposto ao da economia portuguesa como um todo, que tem “desconcentrado as suas exportações para fora da UE”.

Publicado em Dinheiro Vivo a 10 de março de 2014