Google recorre da multa recorde imposta pela União Europeia

O grupo norte-americano Google anunciou que recorreu contra a multa recorde de 4,34 mil milhões de euros, imposta em julho pela União Europeia (UE) por abuso de posição dominante do sistema de exploração para “smartphones Android”.

Esta sanção visava punir a Google por violação das regras ‘anti-trust’ (de concorrência) da União Europeia (UE). A posição dominante do seu sistema operativo para ‘smartphones’, Android, garantia a predominância das suas próprias aplicações – com destaque para o serviço de navegação Chrome.

O valor da multa ultrapassa o anterior recorde, de 2,42 mil milhões, também atribuída à Google em junho de 2017 por favorecimento do serviço de comparação de preços ‘Google Shopping’ em relação aos seus concorrentes.

O sistema de exploração Android é utilizado por 80% dos aparelhos na Europa e em todo o mundo, sendo o também gigante Apple a principal exceção.

O recurso pode tardar anos a ser julgado pela justiça europeia.

O tribunal da UE, composto de pelo menos um juiz por Estado-membro, é uma das duas jurisdições do Tribunal de Justiça da UE, cuja sede é no Luxemburgo.

Adaptação da notícia publicada no Dinheiro Vivo a 9 de outubro de 2018